Artigo

Igualdade Entre Homens e Mulheres: Complementares para Chegarem à Divindade

Para uma civilização em que Deus ainda é visto numa figura masculina, aceitar e compreender que esse DEUS é também MULHER, MÃE, parece difícil…. ainda muito indigesto.

Mas não foi sempre assim!

Todas as civilizações em seu período de OURO e resplandecência, de apogeu, viram a Mulher como a própria expressão do DIVINO, do CRIADOR. Aquela onde o DOM da VIDA, o PODER da CRIAÇÃO está presente.

Voltando em nossa história, mais especificamente na Pré-História, é possível verificar que o feminino teve grande importância e que DEUS era representado pela figura de uma MULHER.

Pode-se constatar essa afirmação através de diversas figuras rupestres e esculturas encontradas em diversos sítios arqueológicos como a  Vênus de Willendorf, que  foi descoberta em 1908 em um depósito de Loess, no vale do Danúbio, na Áustria.

O predomínio dessas imagens femininas sobre as representações masculinas sugere que a mulher desempenhava um papel preponderante naquelas sociedades, que a divindade mais importante era feminina e que teria as funções de uma Deusa ou Grande Mãe, ou da Mãe Terra.

Essas comunidades eram MATRICÊNTRICAS, não havia o domínio da MULHER, mas eram elas sim, o centro de suas atividades. Sua capacidade de CRIAR era Divina, Primordial! Acreditava –se que ela se aproximava do DIVINO pelo seu mágico poder de CRIAR!

E o que diremos do Antigo Egito?

Nessa belíssima civilização, a mulher tinha um status privilegiado. A igualdade entre os sexos era algo natural. A rainha mãe era exaltada, não como uma condição de submissão, mas como guardiã e protetora da tradição e antigos costumes. Sua influência ia além da função materna, exercendo poder político e econômico.

Se considerarmos a origem desses povos, de tempos mais longínquos, de fases ainda pouco acessadas pelo homem comum, encontraremos a presença do casal DIVINO como fonte de TODA CRIAÇÂO.

A Deusa ISIS, filha do Céu e da Terra, é o símbolo, a expressão de todas as Mulheres Sagradas do fértil vale do Nilo. Representa a importância suprema do papel da Mulher nessa civilização

Outra maneira de constatarmos a importância do feminino nas diversas civilizações é através dos Mitos da origem do UNIVERSO, que expressam a necessidade de o Homem e da Mulher, juntos, como forças geradoras complementares, atuarem no processo da CRIAÇÃO.

E ai podemos citar o MITO Egípcio de RA e SHU e de NUT e de GEB .

Esse MITO do Reino do ALTO EGITO descreve a existência de um Oceano Primordial que encerrava o começo de tudo aquilo que poderia ser criado. RA e SHU, o primeiro casal DIVINO, origem de TUDO, deram origem ao casal DIVINO NUT e GEB.   NUT a deusa dos CÉUS e GEB, o deus da TERRA.

Deuses que se amam e, devido a esse AMOR, sustentam TODA a CRIAÇÂO.

São relatos simbólicos da presença e importância dessas 2 polaridades que trabalham para o CRIADOR……como CRIADORES.

Mas como Tudo no ciclo da Natureza nasce, cresce e morre, assim também são as Civilizações, que no decorrer do tempo vão envelhecendo, perdendo seu esplendor, se perdem no cotidiano, na materialidade, e a decrepitude as tornam sem brilho, repletas de mazelas, sofrimento e tristeza.

Fomos portanto nos distanciando da divindade, em busca de poder, prestigio, domínio.  Fomos perdendo a pureza, capacidade de compreender e aceitar a igualdade, perdendo a noção de companheirismo, fazendo surgir a competição, a busca incessante de poder, satisfação pessoal, e, pelo domínio da força, subjugamos aquela que parecia mais frágil, a mulher, colocando-a numa posição de inferioridade.

É a partir de então que a mulher começou a ocupar a posição de ser frágil e débil, contrariando TODA a VERDADE da CRIAÇÂO.

Já na antiga Grécia e Roma podemos constatar essa anomalia social, pois eram tidas somente como simples procriadoras. Na Idade Média se não eram “santas, dóceis, puras e devotadas aos seus maridos”, tal qual o modelo da Virgem Maria, seriam classificadas como prostitutas ou então bruxas.  As prostitutas eram as que se entregavam aos vícios da carne e utilizavam seus corpos para saciar os desejos ou para seu sustento. Bruxas eram aquelas que de alguma forma iam contra os dogmas da igreja. À mulher sempre coube a função de mantenedora, cuidadora do lar, e, para exercer esse ofício, para curar, elas se utilizavam dos segredos da Mãe Natureza, dos chás, das plantas…. o que na maioria das vezes era considerado bruxaria.

Muitas mulheres que tinham de alguma forma acesso às artes, às ciências ou à literatura, padeceram nas mãos da “santa inquisição”.

Buscar alguma forma de conhecimento, custou à vida de milhares de mulheres.

Essa imagem de fragilidade e submissão ligada à mulher, principalmente na antiguidade, na idade média e também na idade moderna, é reforçada através da expressão de muitos pensadores, teólogos e filósofos que contribuíram para aumentar essa posição, mas o que não impediu que muitas mulheres se rebelassem de forma tácita ou explicita contra tal atitude, demonstrando ao mundo suas capacidades e talentos.

Aqui podemos citar 2 belos expoentes: Teresa D’Avila e  Hildegard Von Bingen, que viveram nos séculos XVI e XII respectivamente. Mulheres fortes, revolucionárias, além de seu tempo, corajosas em suas atitudes, firmes em suas ideias e ideais, e que hoje são consideradas doutoras de Igreja.

Mas não paramos por ai…pois mesmo com a implacável perseguição ao longo dos séculos, que colocou as mulheres em uma posição de inferioridade, muitas outras realizaram uma verdadeira revolução, marcando a histórias com suas pegadas de amor, sabedoria e força, colocando seus nomes na história.

Entre tantas se destacam:  Clara de Assis, com sua doçura ao servir ,  Mãe que doa tudo de si pelos seus filhos ,  companheira que compartilhou com seu amado Francisco de Assis um Trabalho Divino ;  Maria e sua pureza virginal , Mãe Celeste , símbolo de compreensão que solicitou dela ver seu próprio filho sacrificado ;  Joana D’Arc expressão de força , fé , determinação e confiança ; Maria Madalena, com sua presença marcante daquela que caminha ao lado de um Grande Mestre; Pernelle , esposa de Nicolas Flamel, alquimistas franceses do século XIV que cintilam como dois dos mais respeitados sábios de todos os tempos por sua obra de serviço à humanidade; e por que não citar Caroline Herschel, astrônoma e matemática alemã; Hipátia de Alexandria, também astrônoma  matemática, professora e diretora da Academia de Alexandria no século IV, cujos trabalhos sensibilizaram grandes pensadores de sua época e serviram de base para a ciência moderna ; Indira Gandhi, Madre Teresa de Calcutá, grandes rainhas como Catarina da Rússia e Elizabeth da Inglaterra , além das já mencionadas Teresa D’Avila e Hildegard Von Bingen, …

Tesouros vivos que ainda brilham e nos inspiram !!

Mas voltemos aos caminhos da história…

Chega então o século XX trazendo três grandes guerras, 2 ditas mundiais, armadas, bélicas, e outra chamada de Guerra Fria, travada no campo da ideologia pelas 2 maiores potências da época, numa corrida armamentista, denominada de PAZ ARMADA.  Tão ou mais nociva quanto as outras primeiras.

Mas com elas vieram também avanços científicos, tecnológicos e uma irrevogável possibilidade de um novo espaço para a mulher que pela necessidade de mão de obra na indústria, foi chamada a contribuir com o esforço de guerra ocupando funções que antes eram consideradas masculinas. A entrada maciça das mulheres no mercado de trabalho, seja para suprir a lacuna deixada pelos homens que estavam na guerra, ou para preencher uma demanda surgida com a eclosão da guerra fria, causou um grande impacto social, durante e depois desses eventos.

Como necessidade ou consequência surge feminismo, que dá seus primeiros passos e com isso a mulher começa a pensar na possibilidade de um futuro diferente daquele que lhes reservaram cultural e historicamente.

As mulheres já vinham de um processo, lento e gradual de conquistas sociais, econômicas e jurídicas, mas é a partir de então que se intensificam as discussões e lutas pela superação da situação das mulheres.

Mas são lutas externas, baseada em competições e superações comparadas em outros, não de si mesma, nem em si mesmas.

E é, nesse cenário, que surge em meados do século XX, um grande Ser que, através de seu sacrifício voluntário, abre horizontes de esperança para recuperar essa Humanidade sofrida e tão distante dos valores Universais.

Ele vem desvelar os ARCANOS mais sagrados do conhecimento eterno, possibilitando revisitarmos as Verdades há tanto tempo esquecidas.

Samael Aun Weor , o avatar da Era de Aquário nos relembra  que a Doutrina do Cristo é o Amor recíproco, é o cumprimento da Lei e dos Mandamentos Divinos , sem diferença de sexos , é a participação mútua nos benefícios que nos presta a Natureza e também os direitos humanos , sociais e conjugais de maneira equânime.

Samael Aun Weor nos fala da verdadeira Mulher, aquela que cintila na Criação, aquela que conhece o segredo das águas, das pedras, das plantas e dos animais, que possui a chaves da saúde, do descanso, da harmonia da matéria. Aquela que espera pelo homem para reconstruir o paraíso terrestre.

         Nos ensina que é nela onde Deus semeia os verdadeiros Homens e, na iniciação, volta a pari-los. Neles reintroduz a infância do mundo. Ela devolve o iniciado ao seu trabalho de homem, que é elevar-se o máximo possível acima de si mesmo.

 

Nos mostra que os ensinamentos Crísticos não parcializam nem o bem e nem o mal, nem a riqueza e nem a pobreza, nem a sabedoria e nem a ignorância, tanto o homem quanto a mulher respondem pelas mesmas responsabilidades e recebem os mesmos benefícios e direitos em todas as atividades da vida.

 

Todas essas Mulheres encontram a SUA Natureza Divina vivendo na simplicidade e na humildade, e como mulheres “comuns” podem fazer de seu dia-a-dia uma verdadeira oração.

 

Compreender os Mistérios do Eterno Feminino de Deus e vivê-los intensamente, é construir a ponte que nos levará à Luz, ao Cristo.

Samael Aun Weor nos ensina que é pela Iniciação que podemos viver a Verdadeira igualdade e que Todas as mulheres iniciadas são Super-Mulheres!

O caminho Iniciático, sem dúvida, é o caminho da igualdade; mas….

É necessário sermos Super-Homens e Super-Mulheres para percorrê-lo.

É por isso que, tanto Mestres como Mestras, tiveram ao seu lado companheiros de almas fortes e determinadas; tornaram-se cúmplices no amor e no retorno ao Creador.

O Venerável Mestre Samael Aun Weor abre horizontes infinitos de sabedoria para que a Mulher se prepare de forma consciente e positiva em todos os campos da vida.

 

A igualdade que tanto buscamos está e sempre esteve dentro de nós, de cada um de nós, pois a Verdade é pura e simples.

Buscá-la, no mundo de maia, é como andar em círculos sem chances de avançar.

Samael Aun Weor através da GNOSE, dignificou a MULHER.

Mostrou ao mundo o seu verdadeiro lugar…pois, como ele mesmo disse….

 

A Gnose é Sophia, a Divina e Feminina Sabedoria”.

 

 “Avante Mulheres, venham junto, Homens !!”…….

 

 

 

Heloisa Pereira Menezes

Instrutora da Associação Gnóstica de Fortaleza

Gostou do artigo? Compatilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos Recentes

NOSSO ENDEREÇO E CONTATO

Telefone e Whatsapp
85 99156-8464

E-mail
gnosefortaleza@gmail.com

Endereço
Rua José Lourenço, 510 – SALA 10
Meireles – Fortaleza/CE

O QUE É GNOSE?

Gnose vem do sânscrito Gnana e do grego gnôzis, que se latinizou como cognoscere, ou seja, conhecer, como nas palavras diagnóstico, prognóstico etc. Gnose, literalmente, quer dizer “conhecimento” ou “conhecimento superior”. Leia mais